ARTIGO: Internacionalização da UEMASUL

É voz corrente entre pesquisadores da área que a internacionalização tornou-se um imperativo institucional e não apenas uma possibilidade desejável. No contexto da globalização, ela afigura-se tendência irreversível para alavancar o desenvolvimento da educação superior e fortalecer o campo da pesquisa.

A internacionalização acadêmica, como assegura Knight (2015), tem dominado a agenda de instituições públicas e privadas. Ao se investir na internacionalização do ensino superior, o que se busca, além do compartilhar de experiências acadêmicas com instituições estrangeiras, é quebrar as barreiras do regionalismo para inserir-se no mundo global, necessidade incontestável para qualquer instituição que almeje obter visibilidade de longo alcance.

Esse fenômeno, relativamente recente e que tem se fortalecido no coração da vida universitária, tem sido alvo de entendimentos diversos e por vezes equivocados. A internacionalização acadêmica, ao contrário do que muitos pensam, não se resume unicamente a atividades de intercâmbio discente e docente, ela é, numa conceituação rasa, um processo abrangente de integrar ao currículo, ao processo de ensino-aprendizagem e à pesquisa, uma dimensão internacional, intercultural e/ou global (KNIGHT, 2015).

Por entender que a internacionalização é um eixo estruturante no desenvolvimento de toda instituição de ensino superior, a UEMASUL, por meio de sua Assessoria de Assuntos Internacionais tem desenvolvido ações no sentido de construir um ambiente internacional no cotidiano da universidade.

Apesar de figurar entre as universidades mais jovens do Brasil, a UEMASUL, próxima a completar um ano e meio de sua criação, tem trabalhado com afinco na elaboração de sua política de internacionalização. Sua inserção nesse processo se dá pela participação em redes de assessoria internacionais e eventos da área, além de outras estratégias, mencionadas a seguir:

Participação na Rede de Assessorias para Assuntos Internacionais das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado do Maranhão-ReINTER, criada pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI).  A ReINTER tem por objetivos coordenar as ações das assessorias que a integram, propor e implementar agenda comum de cooperação acadêmica internacional.  Fazer parte desta Rede preconizada no e para o Maranhão é fundamental para a projeção da UEMASUL fora do estado.

Recentemente, a UEMASUL teve sua solicitação de filiação à Associação Brasileira de Educação Internacional – FAUBAI aprovada por essa agência. Contar com a assessoria da FAUBAI, significa para a UEMASUL, transitar num espaço de aproximação interinstitucional com o intuito de prospectar o desenvolvimento da relação de cooperação da UEMASUL com entidades e universidades nacionais e estrangeiras com vista à futura cooperação acadêmica.

Outra iniciativa refere-se a seleção da UEMASUL para participar do Projeto ETA (English Teaching Assistant– professor assistente de língua inglesa), do programa Fulbright. Das quarenta instituições de todo o Brasil que foram selecionadas, a UEMASUL se posta entre as nove instituições da região nordeste contempladas. Um feito inédito considerando que esta conquista aconteceu ainda no décimo mês de sua criação, o que demonstra a potencialidade da instituição para ações de internacionalização.

Por meio do projeto ETA, hoje a UEMASUL conta com o auxílio de três assistentes de ensino de língua inglesa americanos nas atividades de ensino e extensão. As diversas atividades que os ETAS têm desenvolvido na instituição como o Café com Idiomas, a assistência ao ensino de língua inglesa no curso de Letras e o curso de conversação (edital em curso) têm transformado o comportamento da comunidade acadêmica quanto a necessidade de falar uma língua estrangeira, de modo a fazer parte da comunidade internacional de pesquisa.

O inglês é, na atualidade, a língua franca do mundo contemporâneo em termos acadêmicos. Contudo, a falta de proficiência nesta língua estrangeira, apresenta-se como entrave à internacionalização do conhecimento. Sob essa perspectiva, a importância do projeto ETA para a UEMASUL, está nas iniciativas para intensificar o ensino de língua inglesa destinadas a elevar a proficiência de docentes e discentes nesse idioma.

A participação de profissionais da UEMASUL em eventos e atividades fora do Brasil por meio do aceite de seus trabalhos é outro ponto que evidencia o patamar de relacionamento internacional na área acadêmica que a universidade quer alcançar. Em junho, a Assessoria de Assuntos Internacionais irá apresentar trabalho apresentar trabalho na 43rd Conference of the Caribean Studies Association (Conferência da Associação dos Estudos Caribenhos) em Cuba, e no mesmo curso, a convite da Assessoria de Assuntos Internacionais da Escuela de Cine de Santo Antonio de Los Baños, irá visitar essa instituição, prospectando futuras parcerias.

De modo a discutir ações capazes de possibilitar de forma efetiva as vantagens da internacionalização para toda a comunidade acadêmica, a Assessoria de Assuntos Internacionais promoveu no dia 17 de maio, o Painel de Apresentação desta, intitulado Dialogando Sobre Caminhos Para a Internacionalização da UEMASUL. Participaram deste evento, a pró-reitora de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, profª Dra. Alline da Silva, docentes e técnico-administrativos. Desse momento informativo, de partilha de ideias e questionamentos os participantes saíram com a certeza de que a UEMASUL, pelas iniciativas já desenvolvidas e as que pretende desenvolver, caminha a passos largos rumo à internacionalização do ensino, pesquisa e extensão.

 

Profª Dra. Edna Sousa Cruz 
Diretora do Curso de Letras Licenciatura em Língua Portuguesa,Língua Inglesa e Literaturas – UEMASUL
Assessora de Assuntos Internacionais – UEMASUL

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *