Uemasul recebe comitiva da Fapema para apresentação do plano de trabalho de 2017

A Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) dará início uma série de viagens por cidades maranhenses para apresentação do Plano de Trabalho 2017 da instituição. A primeira apresentação acontece amanhã (25) às 16h, no auditório da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL), em Imperatriz. No mesmo dia, às 19h, o diretor-presidente da Fapema, Alex Oliveira, mostra o plano de trabalho no campus de Açailândia da UEMASUL.

 

Graças a um acordo de cooperação firmado entre Uemasul e Fapema, a universidade aumentou em mais de 100% o número de bolsas de iniciação científica em relação ao ano passado, quando ainda era Cesi/Uema. “Nosso objetivo é estreitar cada vez mais os laços entre as duas instituições, contribuindo com o desenvolvimento regional e com a expansão dos projetos de pesquisa em nossa universidade”, afirmou Elizabeth Nunes Fernandes, reitora pró tempore da Uemasul.

 

A comitiva da Fapema seguirá também para as cidades de Pindaré-Mirim, Santa Inês, Zé Doca e Pinheiros, realizando a mesma programação nas instituições de ensino superior das respectivas cidades. “A Ciência, tecnologia e inovação não pode ser concebida separada do desenvolvimento do estado”, afirmou Alex Oliveira de Souza, presidente da Fapema.

 

Plano de Trabalho 2017

Com o tema “Energia, Vida e Criatividade: Novos olhares para a Ciência no Maranhão”, o Plano de Trabalho da Fapema se fundamenta em torno de quatro linhas de ação (Mais Ciência, Mais Inovação, Mais Qualificação e Popularização da Ciência) e de programas que são operados por meio de editais, estruturados de acordo com os interesses estratégicos do estado do Maranhão.

 

 

com colaboração da ASCOM/Fapema 

Brasão da UEMASUL é escolhido por comissão julgadora

Aconteceu na quinta-feira (20) na sede da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), o processo de escolha do brasão oficial da UEMASUL – Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão. A comissão foi composta por profissionais de diversas áreas, tais como História, Comunicação Social, Engenharia, Designer, Artes Plásticas entre outros. A vencedora do concurso foi Gabriela Portela, de São Luís. As propostas passaram por uma avaliação minuciosa e criteriosa da comissão julgadora.

A participação no concurso foi pública e aberta para pessoas físicas de qualquer lugar do Brasil. Era permitida a apresentação de até dois trabalhos por participante. De acordo com os organizadores, mais de 80 propostas foram inscritas. Elas deveriam atender aos seguintes requisitos: ser inédita e não ter participado de concursos ou eventos similares.

O secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada, ficou bastante satisfeito com o número de participantes e comentou o resultado. “Ele tem uma relevância muito grande para todos nós e vai deixar sua marca para uma das mais novas universidades do Brasil e primeira universidade regional do Maranhão. Isso tem, certamente, um impacto na carreira profissional de qualquer designer que participou do edital”, disse.

De acordo com a pró-reitora de Gestão e Sustentabilidade acadêmica da UEMASUL, Regina Célia Costa Lima, foi de grande importância a realização de um concurso para escolher o brasão que representará a instituição. “Demonstra todo nosso interesse e responsabilidade em construir algo que represente o interesse de todo um espaço geográfico e da comunidade. É importante, ainda, por criar algo que representa realmente os interesses dos envolvidos” afirmou Regina.

Heide Cabral participou da comissão e destacou o quanto foi importante para ele participar de um processo tão relevante como a escolha do brasão. “Na realidade, estou muito feliz, pois além de ser da área de designe, ainda sou um estudante e ter participando deste processo de seleção com pessoas com um grande nível de conhecimento é muito gratificante”, disse ao parabenizar a Secti por incluir estudantes em processos como esse. “É dar oportunidade aos jovens de mostrar sua capacidade e talento”, concluiu.

Mesmo com a escolha da comissão, o processo continua, uma vez que a proposta passará por outras etapas para a adequação das sugestões feitas pela comissão julgadora. A expectativa é que o brasão seja revelado ao público na próxima semana.

Com colaboração da ASCOM/SECTI

Abertas as Inscrições para o Cursinho Popular da UEMASUL

CURSINHO POPULAR DA UEMASUL (1)

Para promover o desenvolvimento regional, é necessário que se tenha uma visão mais profunda e complexa da sociedade e da própria função da universidade. Neste sentido, a administração superior em parceria com o movimento estudantil da UEMASUL traçou em Janeiro a meta a elaboração e execução do projeto do Cursinho Popular.

De acordo com o professor Jailson Macedo, da Divisão de Extensão e Assuntos Comunitários, o projeto é uma iniciativa de educação popular emancipatória, tendo como objetivo principal a formação crítica de jovens e adultos, democratizando o acesso à educação pública, gratuita e de qualidade. “Esta é uma ação extensionista que envolve as entidades do movimento estudantil e que foi institucionalizado pela Pró-Reitoria de Gestão e Sustentabilidade Acadêmica, através da Coordenadoria de Sustentabilidade e Integração Social e das divisões de Extensão e Assuntos Comunitários e de Serviço Social e Médico”, afirmou Jailson.

Na seleção para as 100 vagas disponibilizadas pelo Cursinho Popular, serão priorizados estudantes em condições de vulnerabilidade social, advindos de escolas públicas ou bolsistas em escolas particulares. Diogo Maia está concluindo o ensino médio e desde o início do ano aguarda a oportunidade de ter um reforço nos estudos para cursar a tão sonhada graduação em Medicina Veterinária. “Fiquei acompanhando de perto a criação da UEMASUL e torcendo para que fossem mantidas iniciativas como a que tinha na época da UEMA. Sem dúvida é uma grande ajuda para quem quer fazer o ENEM ou o vestibular convencional”, declarou o jovem.

Para realizar a inscrição, os interessados devem comparecer ao DCE do Campus de Imperatriz, munidos das originais e cópias de seus documentos pessoais, de um comprovante de renda, devem também preencher o formulário de inscrição e responder um questionário socioeconômico até o dia 20 de Abril. As aulas têm previsão de iniciar no dia 06 de maio e o edital completo está disponível no site http://uemasul.edu.br/download.php .

UEMASUL 100 dias – Desafios, avanços e perspectivas da mais nova universidade pública do Brasil

Este slideshow necessita de JavaScript.

Meados da década de 80, quando a Federação de Escolas de Superiores do Maranhão (FESMA) fazia a transição para se tornar Universidade Estadual do Maranhão, já iniciavam também os debates sobre a necessidade de autonomia na gestão dos centros da UEMA espalhados pelo interior do estado. Foi nesse contexto que surgiu o coletivo “Autonomia e Luta”, que era formado por professores, alunos e movimentos sociais em geral e que pautavam a necessidade também da descentralização e democratização do ensino superior em nosso estado.

Uma proposta de lei chegou a ser elaborada pelo então deputado estadual Sálvio Dino, que propunha a criação da Universidade de Imperatriz, mas que na época não foi aprovada. Foram necessários muitos anos de lutas, mobilizações e, literalmente, outra geração de políticos, para que o sonho se tornasse realidade. No dia 1 de novembro de 2016, após um acirrado debate na assembleia legislativa liderada pelo deputado Marco Aurélio, o governador Flávio Dino assinava em Imperatriz, no Centro de Ensino Superior de Imperatriz (CESI/UEMA), a lei nº 10.525 que criou a Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL).

Instituída nos antigos Centros de Ensino Superiores de Imperatriz e de Açailândia, a UEMASUL assumiu a missão de promover o desenvolvimento regional englobando 22 municípios, garantindo um ensino público, gratuito e de qualidade e colaborando com a modernização da gestão pública e uma presença do estado do Maranhão mais significativa no continente. Nos últimos dias de 2016, o governador Flávio Dino anunciou a professora Dra. Elizabeth Nunes Fernandes como reitora pro tempore e no dia 1° de Janeiro de 2017, a UEMASUL passou a existir.

TRANSIÇÃO

Uma vez assinada, a lei de criação da UEMASUL instituiu também uma comissão de transição que ficou incumbida de planejar essa nova instituição de acordo com a realidade a região. “A comissão foi composta por representação dos professores, alunos, do Ministério Público, da UEMA e do Governo do Estado, onde discutimos exaustivamente as necessidades pedagógicas, políticas, administrativas e financeiras da instituição”, afirma Elizabeth Nunes Fernandes, que foi eleita para compor a comissão e que logo em seguida foi nomeada reitora.

Em todo o processo de efetivação da UEMASUL, o governo do estado tem mobilizando muitos esforços para viabilizar a UEMASUL. “Em todas as secretarias a UEMASUL encontra as portas abertas”, afirmou o deputado Marco Aurélio, durante a aula inaugural no campus de Imperatriz.

INFRAESTRUTURA

O campus de Imperatriz representava o misto de atraso, esforço local e a urgente necessidade de intervenção. Apesar de contar com laboratórios com equipamentos de última geração, que foram adquiridos com recursos de projetos de pesquisa, as salas de aula colecionavam problemas estruturais e, com a instalação dos setores administrativos, ficaram ainda mais insuficientes.

Na primeira semana de 2017, o secretário de infraestrutura, Clayton Noleto visitou a UEMASUL e designou equipes da SINFRA para iniciar uma obra de reforma e readequação do campus. “Somamos esforços e definimos como emergencial a intervenção na infraestrutura do campus. Hoje já estamos com mais das metades das obras concluídas”, afirmou Expedito Barroso, vice-reitor da UEMASUL.

ACORDOS DE COOPERAÇÃO

No dia 16 de Janeiro, em solenidade no Palácio do Comércio de Imperatriz, o governador Flávio Dino deu posse à reitora Elizabeth Nunes Fernandes, ao vice-reitor Expedito Barroso e as pró-reitoras Diana Barreto, Regina Célia e Alinne Silva. Na oportunidade foram assinados dois termos de cooperação da UEMASUL com a UEMA e com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI) que estão sendo fundamentais para a consolidação da instituição.

O acordo com a UEMA está garantindo o bom andamento das aulas nesse período de transição. Desde a matrícula, passando pelo registro acadêmico até a colação de grau, tudo aconteceu em parcerias entres as universidades coirmãs. “Estamos tendo todo o apoio da UEMA, mas assumindo cada vez mais as nossas novas responsabilidades. Com essa parceria, fortalecemos ainda mais a educação do nosso estado. Um grande exemplo é o mestrado da UEMA que acontecerá em nosso campus”, afirmou a reitora.

A SECTI foi incumbida de integrar a UEMASUL nas políticas públicas para Ciência, Tecnologia e Inovação do estado, dando condições operacionais e fazendo investimentos estruturais. Neste sentido, o secretário Jhonatan Almada mediou outro acordo com a FAPEMA, que resultou no aumento de 37 bolsas de iniciação cientifica ano passado, para 80 bolsas para 2017 na UEMASUL e de mais 4 bolsas e pós-graduação do programa Ignácio Rangel.

Foram doados também 5 laboratórios básico montados, 500 livros para as bibliotecas e notebooks paras os setores administrativos. Em contrapartida, a UEMASUL assumiu o papel central de articuladora na região tocantina da Rede Ciência Maranhão, iniciativa da SECTI que visa apoiar a criação de políticas públicas nos municípios do estado. “Iremos atuar nos 22 municípios de nossa abrangência, auxiliando iniciativas, entidades e instituições que queiram essa pauta. Vamos lançar bolsas territoriais, contemplando prioritariamente as cidades de menos IDH”, explicou Expedido Barroso.

EXTENSÃO

Além da perspectiva no aumento das bolsas e dos projetos de extensão, a UEMASUL chega aos seus 100 dias lançando o seu projeto de Cursinho Popular.  O edital completo está disponível no site www.uemasul.edu.br e as inscrições seguem abertas até o dia 20 de abril e podem ser feitas no campus de Imperatriz.

PLANEJAMENTO

Na avaliação da reitora Elizabeth Nunes Fernandes, os 100 primeiros dias são simbólicos e no caso da UEMASUL, muitos avanços foram conquistados. Mas a reitora reafirma que o caminho para a consolidação da instituição ainda é longo, e que os principais objetivos traçados para a UEMASUL, muitos ainda virão. “Estamos em pleno processo de elaboração do texto base de nosso Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e do nosso Projeto Pedagógico Institucional (PPI), que de forma democrática, vão definir os rumos de nossa universidade.”, finalizou a reitora.

UEMASUL promove reunião para formação de rede de mestrados

allan_kardec_duailibe
Foto: Biaman Padro

Dentro de sua missão de desenvolvimento regional, a Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão prima pelo fortalecimento da educação superior e pela criação de cursos de graduação e pós-graduação. Nesse sentindo, a UEMASUL promove no próximo dia 10 (segunda-feira) uma reunião aberta a todos os mestres, doutores e doutorandos das instituições de ensino superior de Imperatriz e região.

A reunião é organizada pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (PROPEGI) da UEMASUL e tem início às 09 horas, no auditório da UFMA, campus Centro. “É uma reunião voltada ao fomento à criação e fortalecimento de programas de pós-graduação stricto senso na região tocantina. Já somos parceiros no mestrado em Ciências Agrárias da UEMA e também estamos trabalhando na criação de um programa da UEMASUL”, afirmou Alinne Silva, pró-reitora da PROPEGI.

O convidado para mediar a reunião e apresentar experiências exitosas na formulação de um projeto de pós-graduação é o Prof. Dr. Allan Kardec. Graduado em Engenharia Elétrica pela UFMA, mestre em Information Engineering pela Toyohashi University of Technology e doutor em Information Engineering pela Universidade de Nagoya, Allan Kardec tem pós-doutorado pelo RIKEN (The Institute of Physics and Chemistry), Japão, e participa do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência, além de ser consultor da CAPES e editor associado da Signal Processing. Já ocupou cargos de pró-reitor da UFMA, diretor de pesquisa e de diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Atualmente a UEMASUL está em processo de elaboração do seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). A expectativa é que ao longo de 5 anos, pelo menos 2 cursos de pós-graduação sejam instituídos na universidade. “O PDI vai entrar em uma fase de debate com toda a comunidade acadêmica e com a sociedade em geral, lá constará nossa meta de criação de cursos de mestrados e doutorados”, afirmou Elizabeth Nunes Fernandes, reitora da UEMASUL.

100 dias da UEMASUL

Em maio de 1968, para além da greve geral que irrompeu na França a partir dos protestos no Quartier Latin organizados pelos estudantes e trabalhadores contra o sistema educacional e a repressão – que se irradiaram mundo adentro, numa CPI da Câmara dos Deputados sobre a reestruturação do Ensino Superior brasileiro, em plena ditadura civil-militar, o intelectual Anísio Teixeira no seu depoimento professa: “ a educação não é só um bem para o indivíduo, mas uma necessidade para a sociedade.”

Sete meses depois seria decretado o AI5, a face mais cruel e a melhor tradução do penúltimo golpe no estado brasileiro. Como escreveu dia desses numa rede social um companheiro: “os grandes pensadores botaram a cara no sol”.

Naquela afirmação, o mestre proporcionava-nos mais uma aula, duas de fato: o zeitgeist e a função social da Universidade na organização do registro da realidade social e a produção e divulgação da cultura nacional.

De fato, após 51 anos vivemos no Brasil uma cena quase similar. Reformas supressoras de direitos, deveres e funções sociais, desmantelamento do sistema educacional…

De fato, também, os movimentos de proação, as ideias inovadoras sempre têm seus epicentros. As necessidades sociais, a temperança nessa conserva cultural chamada sociedade, devem se coefetivadas pela Universidade.

E quando uma Universidade é nova, recém-criada e formulada a partir de uma política pública balizada pelo Desenvolvimento com Inclusão e Justiça Social em um estado ainda eivado de assimetrias sociais como o Maranhão, sua ação estratégica é entusiasmante e motivadora.

Assim é a compreensão dos que lutaram, conquistaram e constroem a Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão – UEMASUL.

No próximo dia 10 de abril, faremos 100 dias de existência. Planejamento, trabalho, aprendizado, organização, avaliação, resolução, desafios, correção, reordenamento, dialética, embates, mediação, inserção, visibilidade, políticas de desenvolvimento têm constituído as tarefas dos gestores, professores, servidores técnico-administrativos e discentes no ensino, pesquisa e extensão.

Somos a única Universidade Regional do Estado do Maranhão. A mais nova Universidade do Brasil. A compreensão desse universo regional suscita a promoção de ações afirmativas para realinhar aquelas assimetrias sociais. Óbvio que só temos 100 dias. 100 dias dos primeiros 1.000 anos!

Requalificar arquitetonicamente os espaços de convívio universitário, construir e organizar os espaços de organização administrativa para os mais de dois mil alunos e quase cento e oitenta profissionais é a parte visível deste processo.

Organizar as bases epistemológicas do Projeto Pedagógico Institucional – PPI e do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2017-2022, para ampla discussão e construção do consenso na comunidade acadêmica. Formular e organizar todos os demais documentos normativos, no mesmo momento em que se operacionaliza o cotidiano da administração pública para atender satisfatoriamente as demandas internas e externas são tarefas que têm obtido resultado por meio da metodologia situacional, coletiva e participativa de ação.

Alunos participando da bienal da UNE em Fortaleza, indo divulgar resultados de suas pesquisas/atividades em eventos em Teresina, Recife, difundindo a UEMASUL, são indicadores iniciais otimistas do novo empoderamento discente.

A nomeação e posse de novos professores/pesquisadores ampliando o corpo docente e o ingresso aproximado de quatrocentos e cinquenta discentes compactuados com o inédito e expressivo lançamento de quase 200 bolsas de pesquisa, estágios, monitorias, permanência estudantil configuram uma nova relação para o caminho da função social da UEMASUL.

O início do curso de mestrado em Agricultura e Ambiente numa cooperação com nossa coirmã UEMA corresponde ao planejamento de consolidação dos cursos de graduação já existentes ao tempo em que implementamos o terceiro ciclo de formação continuada com a criação de cursos de pós-graduação stricto sensu.

O investimento de 11,3 milhões de Reais na construção do nosso terceiro campus, na Rodovia BR-010, com recursos alocados pelo Governo do Estado via financiamento do BNDES, com ordem de serviço a ser expedida nas próximas semanas pelo Governador Flávio Dino e nossa Reitora profª. Elizabeth Fernandes materializa o compromisso Estado-Universidade-Sociedade com o desenvolvimento regional.

Por sua vez, o protagonismo e ativismo definido pela UEMASUL na sua área de atuação territorial nos programas estatais Rede Ciência Maranhão coordenado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação – SECTI e Mais IDH, criando, formulando e disponibilizando serviços, processos e produtos, constituem a expressão e desafio da lição de outro mestre da educação, professor Darcy Ribeiro. A Universidade necessária deve estar irmanada com a planificação do estado, democratizando a educação e a cultura para superar o atraso, promovendo como vetor resultante a aceleração evolutiva e a atualização histórica da nossa região.

Não é pouco. Poucos são os 100 primeiros dias. A história exercerá sua análise e julgamento. Estamos no começo. Os saberes tradicionais nos ensinam que a Arte é o que preenche o vazio e o Conhecimento é um porto…de saída.

______________

*Expedito Barroso é Biólogo, professor da Rede Estadual de Educação e da UEMASUL. Vice-Reitor Pro tempore.IMG_8584